quinta-feira, 23 de abril de 2015

Aprovação da terceirização é considerada um Assalto aos trabalhadores.


Para o presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adílson Araújo, a decisão da Câmara dos Deputados foi “um assalto à classe trabalhadora e ao povo brasileiro”. 

Em declarações ao Portal Vermelho, o sidicalista afirmou que “foi um atentado à democracia, ao direito do trabalho, à CLT”. O líder da CTB denunciou que “o parlamento acabou de rasgar a Carteira de Trabalho, no maior ato de traição à nação e a mais de 50 milhões de famílias brasileiras”. 

Os inimigos da classe. Veja quem votou a favor e contra.



É preciso que se espalhe entre os trabalhadores os nomes de todos os inimigos da classe que atraiçoaram o povo e querem impor à imensa maioria dos brasileiros um retrocesso de mais de 60 anos na legislação trabalhista. Caso o projeto seja aprovado em definitivo, a exploração será ainda mais brutal. Demissões de trabalhadores com carteira acontecerão em um número recorde e depois estes trabalhadores só conseguirão emprego em firmas terceirizadas, com salários aviltantes e sem garantias trabalhistas reais. O nefando projeto vai agora para o Senado, depois volta para a Câmara para finalmente ser enviado à sanção ou veto da presidenta Dilma Rousseff. Barrar este retrocesso exige uma mobilização massiva e o primeiro passo é divulgar os nomes de todos os que votaram a favor da emenda aglutinativa e, portanto contra o povo.

Leia a matéria completa no Blog do Accioly


Aleac realiza sessão solene em homenagem ao dia do Índio. " Dr. Jenilson Leite ( PCdoB) foi o autor do requerimento".

Os povos indígenas foram homenageados nesta quinta-feira, 23/04, numa sessão solene na Assembleia Legislativa do Acre-Aleac em alusão ao dia do índio que é comemorado todo 19 de abril, nos países latinos americanos, incluindo, o Brasil. O autor do requerimento da sessão solene foi o deputado estadual Dr. Jenilson Leite ( PCdoB). 


Representantes de diversas etnias indígenas marcaram presença nas galerias da Aleac. Antes do início da sessão,um grupo de Índio fez uma apresentação de dança ou ritual como é denominado nas aldeias dedicado a fertilidade do solo para que possa ter uma boa colheita e também purificar o ambiente do parlamento.



O dia do índio foi criado através do Decreto Lei nº5.540, em 1943, pelo presidente da República Getúlio Vargas. Dr. Jenilson ao discursar enfatizou a história dos povos indígenas desde a chegada dos colonizadores português no século XV a nossa atualidade. 

"Apartir da chegada do conquistador Europeu no final do século XV e início do século XVI, o conquistador inicia uma guerra para conquistar e dominar as imensas riquezas desse nosso território, com duras consequências sofridas pelas populações que habitavam o Brasil antes do Europeu por aqui chegar. Estima-se que existia no Brasil cerca de 4.000.000 milhões de índios, hoje a população indígena é cerca de 400.000 mil, ou seja, em cinco séculos de domínio os conquistadores e seus herdeiros reduz. No Acre não foi muito diferente, entretanto mesmo com toda a adversidade as organizações indígenas empreendem uma forte e rigorosa luta de resistência, e essa luta também seguem ao longo de todos esses anos aonde resultou também, em muitas vitórias e conquistas".

Leite fez questão de ressaltar as conquistas dos povos indígenas do Acre, dentre elas: a formação de professores indígenas em nível superior para lecionarem nas 201 escolas localizadas nas aldeias; formação de médicos hunikuins; a equipe de saúde itinerante formada por médicos, odontos e enfermeiros para atender nas aldeias".
O deputado também pôs seu mandato a disposição da população indígena. 

"é com muito prazer, muita honra e muita satisfação que desde já, colocamos nosso mandato a disposição, não para resolver todos os problemas de forma mágica, mas para ser aliado, parceiro, para dar, em muitos lugares a VOZ, O GRITO que é necessário para fortalecer as lutas dos povos indígenas do nosso Estado".

No Acre, os indígenas estão divididos em dois grandes troncos indígenas: a) Aruaque ou Aruak ( na região do Rio Purus); b) Panos ( na região do Juruá). – Os Panos estão divididos em Kaxinawás, Yawanawás, Poyanawás, Jaminawas, Nukinis, Araras, Katukinas, Shaneanawa, Nawa, e Kaxararis. – Os Aruaques é divididos em Kulinas, Ashaninkas (Kampas) e Manchibery. A população indígena do Acre é de 18 mil, sendo que 90% por cento vivem nas aldeias.


Por Leandro Matthaus
Foto: Jardy Lopes

Recuperação da BR-364 deve ser concluída até o fim da semana, diz Dnit

Trecho entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul foi interditado no fim de semana. 
Dnit diz que está trabalhando em projeto para recuperação total da rodovia.

A recuperação do trecho da BR-364 entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul deve ser concluída até o fim desta semana, segundo estimativa do Departamento de Transportes de Infraestrutura (Dnit). No sábado (18), uma uma cratera se abriu na via e deixou parte dela interditada.

De acordo com o superintendente do Dnit para os estados de Rondônia e Acre, Fabiano Cunha, Cunha o trecho da BR-364 que foi parcialmente interditado sofreu um desbarrancamento após fortes chuvas registradas da região. "A empresa responsável pela manutenção realizou um trabalho emergencial para liberar o tráfego de carros de passeio e caminhonetes durante o fim de semana", disse.

Cunha acrescentou ainda que a BR-364 deve passar por uma manutenção completa a partir de 2016. "Assumimos há pouco tempo a rodovia e, por enquanto, estamos fazendo obras paliativas, mas estamos trabalhando em um projeto de reconstrução definitiva da pista para o ano que vem", explicou.

Mesmo com a liberação do tráfego em meia pista, o Dnit alerta a população sobre a trafegabilidade no trecho entre Tarauacá e Cruzeiro do Sull e pede para que as placas de sinalização, tanto de peso máximo permitido, quanto ao tipo de veículo autorizado a trafegar no referido local, sejam respeitadas para garantir o tráfego seguro.


No AC, terceirizados alegam que salários estão atrasados há 3 meses.

Mais de 200 pessoas que atuam como serventes, merendeiras e vigias em escolas da rede estadual em Cruzeiro do Sul, interior do Acre, paralisaram suas atividades em protesto contra o atraso, segundo eles de três meses, no pagamento de seus salários. Liderados pela diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinteac) e representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT), percorreram as ruas do Centro da cidade e foram a até o escritório da empresa MM Ativa, responsável pelos contratos, para cobrar uma solução.

O representante da CUT na cidade, João Sandim, lembrou aos manifestantes que é esse o modelo de mão de obra que está sendo votado no Congresso Nacional. Se referindo a PEC 4330, que prevê a contratação de serviços terceirizados para qualquer atividade e não estabelece limites ao tipo de serviço que pode ser alvo de terceirização.

“O reflexo dessa medida que estão querendo aprovar em Brasília está aqui. Pais e mães sem receber salário, enquanto secretários e cargos de confiança não atrasam. Os trabalhadores são tratados dessa forma. Estamos na rua para dar um basta. Somos contra a terceirização dos serviços públicos. É preciso garantir e respeitar os direitos constitucionais do trabalhador”, enfatiza.

O representante da empresa em Cruzeiro do Sul, que se identificou apenas por Alexandre, não quis se manifestar a respeito do assunto. No entanto, recebeu uma comissão composta por sindicalistas e servidores onde se comprometeu em solucionar o problema até o dia 24 deste mês. O G1 tentou acompanhar a reunião, mas foi impedido por Alexandre.

Após a reunião, Valdenízio Leitão, presidente do Sinteac, disse que a empresa reconheceu o atraso justificando que havia um problema de uma certidão junto a Receita Federal, mas que o problema será resolvido nas próximas horas.

Segundo o sindicalista, caso a empresa não cumpra o acordado, a categoria entrará em greve por tempo indeterminado. “Expliquei ao gerente da empresa que paramos por um dia em advertência, mas que os servidores vão retornar ao trabalho e se o pagamento não for efetivado, vamos parar por tempo indeterminado”, garante.


Governo Federal prorroga presença da Força Nacional na fronteira do AC

O Ministério da Justiça autorizou a prorrogação do emprego da Força Nacional por mais 180 dias para exercer atividades em apoio à Secretaria de Segurança Pública (Sesp-AC) na região fronteiriça do Acre. A portaria, assinada pelo ministro José Eduardo Cardozo, foi publicada no Diário Oficial da União, desta quarta-feira (22).

A Força Nacional vai atuar especificamente nas áreas de "fiscalização, inibição, prevenção, coibição e repressão dos crimes de contrabando, de tráfico de drogas e de armas", afirma a portaria.

“A operação terá o apoio logístico e supervisão dos órgãos de Segurança Pública do ente federado solicitante, bem como a permissão de acesso aos sistemas de informações, inteligência, disque-denúncia e ocorrências", acrescenta o documento.

Segundo o secretário de Segurança Pública, Emylson Farias, a Força Nacional já está atuando no estado há cerca de seis meses e, com a medida, também houve o aumento no dobro do efetivo. Com isso, será um total de 50 homens e 16 viaturas.

"Estamos reforçando alguns pontos que compreendemos que são entrada de entorpecentes e armas. Em todos os municípios fronteiriços. Vamos nos reunir com eles para redirecionar para pontos estratégicos para poder reduzir contrabando, furto e roubo de veículos que possam ser levados para a fronteira.


A portaria diz ainda que a presença da Força Nacional ainda pode ser prorrogada, se necessário, mediante a solicitação dos órgãos de segurança do estado.

Ufac divulga lista de aprovados na 7ª chamada do Sisu 2015

Lista foi divulgada na última sexta-feira (17), no site da instituição. Matrículas devem ser realizadas na quinta-feira (23) e sexta-feira (24).

Com em torno de 90 vagas ainda disponíveis no campus Rio Branco, a Universidade Federal do Acre (Ufac) divulgou, ainda no dia 17, a sétima de lista de aprovados pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) deste ano. Os candidatos devem efetuar a matrícula institucional na quinta-feira (23) e sexta-feira (24), das 8h30 às 12h e das 14h às 17h30.

O processo de matrícula ocorre em duas etapas, uma online e outra presencial, que devem ser feitas no mesmo prazo. Para a inscrição no site da instituição, a Ufac vai disponibilizar computadores para aqueles que necessitarem. A localização dos laboratórios de informática, na capital e em Cruzeiro do Sul, pode ser acessado no edital de convocação.

Para a segunda fase, o candidato deve apresentar uma série de documentos especificados no edital. A lista de selecionados, contendo a pontuação e colocação, pode ser acessada no link. As informações sobre o processo de matrícula podem ser encontradas no site da instituição.

Ao todo, a Ufac disponibilizou 1.720 vagas para o Sisu 2015, dessas, 1.240 foram para o campus na capital acreana. O restante corresponde ao campus do município de Cruzeiro do Sul.

G1.Ac


SP. Em ação ousada, criminosos roubam R$ 6,7 mi de transportadora de valores

Criminosos roubaram cerca de R$ 6,7 milhões de uma transportadora de valores em São Mateus, na Zona Leste de São Paulo, pouco antes de 20h de quarta-feira (22). Os criminosos usaram carros clonados para entrar na empresa e incendiaram um caminhão para facilitar a fuga, como mostrou o Bom Dia São Paulo. Ninguém foi preso até o momento.

Pelo menos 15 ladrões chegaram à empresa, na Rua Forte Cananeia, em uma perua e em dois carros idênticos aos utilizados pelo departamento administrativo. Um deles tinha até adesivos semelhantes.

Os criminosos que dirigiam esses carros também se comunicaram com os vigias da mesma maneira empregada pelos funcionários no momento em que se aproximam da empresa. A estratégia usada levanta a suspeita de envolvimento de algum funcionário ou ex-funcionário no crime.

No momento do roubo, um carro-forte abastecia a empresa, que é responsável por distribuir o dinheiro em caixas eletrônicos da capital paulista.De acordo com a polícia, nos cofres da empresa havia R$ 13 milhões. Os criminosos fugiram levando cerca da metade disso – R$ 6,7 milhões.

Após o roubo, houve um intenso tiroteio com vigias. De acordo com a polícia, os criminosos chegaram a utilizar uma metralhadora .50, que é capaz de derrubar até helicópteros. Um carro que estava na frente da empresa ficou todo marcado por tiros.

Depois da ação, os ladrões atravessaram e queimaram um caminhão na Rua Forte Cananeia para dificultar a ação da polícia. Um dos carros também foi incendiado dentro da empresa.

Seguranças da empresa passaram a madrugada prestando depoimento na sede do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), na Zona Norte de São Paulo. As imagens das câmeras de segurança podem contribuir para esclarecer o caso.


A polícia investiga se algum dos criminosos ficou ferido na troca de tiros com os vigias. Os investigadores sabem que uma pessoa com ferimento provocado por arma de fogo deu entrada em um hospital da região.

G1.com

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Asareat, Seaprof e Prefeitura de Jordão implantarão a II Feira do Produtor dia 26 de abril.

A Associação dos Seringueiros e Agricultores da Resex Alto Tarauacá- Asareat em parceria com a Secretaria de Estado de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar-Seaprof e Prefeitura de Jordão por meio da Secretaria Municipal de Agricultura, irá realizar neste domingo 26 II Feira do Produtor.

Esta é a segunda vez que os produtores de Áreas próximas a cidade vão está participando de um feira onde poderão vender seus produtos. Em 2013 a prefeitura iniciou o projeto mais aos poucos foi diminuindo o numero de produtores na feira.

A Asareat em breve estará implantando o Mercado da Resex onde todos os demais  produtores do baixo rio Tarauacá poderão vender seus produtos. A II Feira do Produtor será realizada domingo dia 26 de Abril na praça municipal na Avenidas Francisco Dias, já estão confirmada a presença de 12 produtores. Agora aguardamos os clientes também. 

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Numero de residências indígenas na cidade tem aumentado e preocupa população.



Imagens do Bairros Kaxinawá
O município de Jordão é um dos municípios acrianos que tem o maior percentual da população indígena da etnia Kaxinawá que vivem aqui há muito tempo. Em 1960 havia apenas cerca de 300 índios que trabalhavam na extração da borracha ou na agricultura dos patrões que eram os donos dos seringais. Aos poucos outros indígenas foram chegando de outras partes do Acre ou de outros seringais e foram formando suas famílias.

Com o declínio da borracha entre os anos 80 e 90, vários patrões acabaram abandonando seus seringais, outros foram embora para Tarauacá e Rio Branco e houve também aqueles que faleceram e seus filhos não fizeram caso das terras. Com isso, os indigenistas Terrí de Aquino, Marcelo Iglesias e Macedo juntamente com os quase 800 indígenas já existentes, iniciaram uma luta por demarcação de terras e hoje o Rio Jordão é todo demarcado e destinado aos quase 3000 mil Huni Kuin ou povo verdadeiro como são conhecidos.  

Mais o que vem causando preocupações a população da cidade de Jordão é que o numero de residências na cidade desses indígenas vem aumentando muito e os políticos locais não tomam uma atitude, pois acabam sendo reféns do sistema politico, já que os indígenas somem 30% do eleitorado jordanense.

O que se sabe é que a maioria dessas famílias dizem que estão construindo uma casa para hospedar-se para quando vem receber seus benefícios e acabam, depois de um tempo, vindo de vez e daí começa o sofrimento. 
 
Imagens do Bairros Kaxinawá
Esta semana uma família indígena que estava a oito (8) dias na cidade me procurou pedindo, por favor, que o ajudasse com pelo menos 2 litros de agua para beber, pois estava hospedado nas canoas e a Agua do Rio não estava boa para consumo humano. Ao providenciar a agua dois dias depois me pediu um dinheiro para comprar 2 kg de carne para alimentar sua família alegando que ainda não tinha conseguido receber seus benefícios junta ao banco.

Inclusive esse é outro problema que vem causando sofrimento a essas famílias como todas as pessoas que vem da zona rural na tentativa de receber seus vencimentos e não conseguem no prazo determinado por falta de dinheiro na instituição financeira, no caso, Caixa Econômica. O que os obrigam a ficarem exposto a chuva, frio além da fome, e  todas as famílias indígenas vem acompanhadas de suas crianças. 

Nossos políticos precisam entrarem em acordo e criar mecanismo que venha garantir os direitos desses indígenas para que vivam em paz em suas aldeias onde só assim poderão está mais protegidos, inclusive de doenças.
Imagens do Bairros Kaxinawá

Acre sedia encontro de entidades médicas para a criação de Federação Médica Brasileira.



A Federação dos Médicos da Amazônia (Femam) realiza no Acre encontro para tratar da fundação da Federação Médica Brasileira (FMB), às 18 horas desta sexta-feira, no hotel Best Western. O evento tem a colaboração do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC).

O objetivo é criar uma entidade que possa representar a classe em todo o território nacional, buscando a valorização profissional. As diretrizes debatidas na reunião dos sindicalistas terão como base reivindicações trabalhistas, como a melhoria dos serviços de saúde, a carreira médica e mais investimentos para o setor.

“Essa é uma reunião prévia com os sindicatos de todos os Estados da Amazônia para um encontro que será realizado no Recife, no dia 24”, explicou o presidente do Sindmed-AC, José Ribamar Costa.

Mais de 20 sindicatos integrarão a nova entidade nacional que busca como ponto central o bem estar do trabalhador.

A FMB está sendo criada depois do rompimento da base com a atual diretoria da Federação Nacional dos Médicos (Fenam). O motivo do atrito foi a mudança no estatuto da antiga entidade que permitiu a prorrogação de mandato e a reeleição do atual presidente.